FUNCIONÁRIO

1º - Funcionário do condomínio não é empregado doméstico
Apesar de trabalhar na esfera domiciliar dos condôminos, aplicam-se a eles as normas da legislação comum trabalhista, com todos os seus direitos e corolários.

2º - Admissão e demissão é com o síndico
Como representante legal do condomínio, o síndico tem plenos poderes para admitir e demitir funcionários, salvo se houver cláusula específica regulando o assunto na convenção ou no regimento interno. Para evitar demissões arbitrárias, tão onerosas ao condomínio, convém disciplinar o assunto, restringindo tal poder, com consulta prévia ao conselho consultivo ou à assembléia.

3ª - Número de funcionários é com a assembléia ordinária
Despesas de funcionários e encargos são despesas ordinárias. Mas há diferença entre ter dois ou cinco empregados no prédio. Seu número deve constar do orçamento anual a ser aprovado em assembléia. Não deve ficar ao alvedrio do síndico.

4ª - Lugar de porteiro é na portaria
A função do porteiro é importante demais para ele circular fora de seu posto de comando. Não deve ficar na frente do prédio, do lado de fora, nem em outras dependências, de onde não possa controlar o fluxo de entrada de pessoas e veículos.
Não sair para realizar trabalhos de terceiros em horário que esteja exercendo a sua função no condomínio. 


5ª - Lugar da mulher do zelador não é na portaria
Se o condomínio tiver zelador residente e sua mulher não for funcionária do condomínio, seu lugar não é, certamente, na portaria. Não deve substituir o marido. O vínculo empregatício que resultará custará muito caro aos condôminos.

6ª - Condômino não é patrão direto do empregado
O funcionário foi contratado pelo condomínio, por meio de seu representante legal, o síndico. Não cabe a cada condômino, individualmente, a tarefa de chamar a atenção dos funcionários. Na omissão do síndico ou em caso de necessidade urgente, até se admite, em função do princípio de que cada condômino deve defender os interesses da coletividade. Na rotina do dia-a-dia, deixar essa tarefa para o síndico.

7ª - Funcionário não é confessor nem confidente
Se não quiser que sua vida particular seja conhecida de outros, não a conte para funcionários do condomínio. Por norma funcional, ele não deve ser indiscreto com relação ao que sabe sobre os condôminos, mas não fez nenhum voto nesse sentido.

8ª - Porteiro não é atleta nem técnico
O equipamento que usualmente se coloca na portaria (interfone, telefone, controle do portão eletrônico e da porta de entrada, visor ou visores de TV em circuito fechado, etc.) exige do porteiro perícia de técnico e coordenação motora de jogador de basquete. Nem todos têm treinamento e habilidade para tanto.

9ª - Zelador residente não é banco 24 horas
O zelador reside no edifício, mas trabalha para o condomínio. Deve ter horário de trabalho como todos os demais funcionários. Excepcionalmente, poderá ser acionado para resolver problemas de urgência. Trabalho continuado fora do expediente poderá resultar em pagamento de horas extras, com todos os demais acréscimos trabalhistas. Cuidado.

10ª - Funcionário é parte do condomínio
Trabalha quase dentro da nossa casa. Conhece nossos hábitos. É membro ativo da comunidade condominial. Trate-o bem.
Fonte: Guia do Condomínio - IOB

                                                                                                                                                               

Quais os riscos e vantagens de ter os funcionários do condomínio terceirizado

Os funcionários em um condomínio são os que cuidam do patrimônio e bem estar de todos os moradores e geralmente são responsáveis pela metade do valor da contribuição mensal dos condôminos. Como podem ser terceirizados nos edifícios, segundo as normas da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e a súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a procura por esse tipo de contratação cresce no setor.



                                                                                                                                                                   

 Funções do Gerente Predial
 Atribuições dos funcionários
Conheça as Atribuições desse profissional, cada vez mais requisitado

Muitos edifícios comerciais, e até condomínios residenciais de alto padrão, vêm adotando o cargo de gerente condominial em sua administração. Ele é uma espécie de super-zelador, lidando com gerenciamento dos funcionários, dos prestadores de serviço, ficando encarregado da manutenção e muitas vezes da administração "burocrática" do condomínio, para que o síndico se ocupe apenas do relacionamento com os condôminos.
Muitos edifícios comerciais, e até condomínios residenciais de alto padrão, vêm adotando o cargo de gerente condominial em sua administração. Ele é uma espécie de super-zelador, lidando com gerenciamento dos funcionários, dos prestadores de serviço, ficando encarregado da manutenção e muitas vezes da administração "burocrática" do condomínio, para que o síndico se ocupe apenas do relacionamento com os condôminos.

Perfil do profissional

  • O gerente de condomínio, assim como o zelador comum, é o braço direito do síndico dentro do condomínio
  • O que o diferencia do zelador é que sua função requer conhecimentos geralmente mais aprofundados em relação a assuntos técnicos (como a parte hidráulica e elétrica), além de lidar com assuntos burocráticos (compras, cotações) e administração de pessoal
  • Segundo as fontes consultadas, um gerente de condomínio não necessariamente deve ter um curso superior, apesar de ser recomendável
  • O perfil ideal seria a formação em engenharia ou, então, em administração com especialização em alguma área técnica ligada ao condomínio

Atribuições

O gerente, que funciona como uma espécie de superzelador, tem como atribuições básicas:
  • Gerenciar o pessoal do prédio
  • Realizar cotações e lidar com fornecedores
  • Coordenar o controle de acesso dos edifícios, realizando relatórios periódicos de controle entregues ao síndico
  • Ser capacitado a realizar trabalhos de prevenção e combate a incêndios
  • Ter bons conhecimentos relacionados à parte elétrica e hidráulica dos edifícios
  • Conhecer as normas técnicas e regulamentações relacionadas ao condomínio
  • Conhecer os produtos disponíveis no mercado, da área de segurança à de limpeza
  • Intermediar contatos entre construtora e proprietários
  • Instruir funcionários com relação ao atendimento
  • Ter preocupação constante com relação à segurança do edifício
  • Ter conhecimento da Convenção e do Regulamento Interno do edifício
  • Por gerenciar os funcionários do edifício, o gerente deve ter uma boa capacidade de comunicação e liderança 


Habilidades

  • Conhecimento técnico em hidráulica, elétrica, manutenção predial e noções de engenharia
  • O gerente condominial deve sempre acompanhar e motivar os funcionários
  • Com relação aos terceirizados, o acompanhamento deve ser constante, mas feito por meio da supervisão da empresa contratada. Isso evita configurar vínculo empregatício
  • O gerente deve ter uma boa comunicação e saber expressar com clareza e objetividade o que espera de cada funcionário
  • É importante também que o gerente estabeleça uma rotina de trabalho, para que cada funcionário saiba o que dele se espera
  • Os procedimentos devem ser reavaliados ou reforçados em reuniões periódicas de trabalho
  • Uma chefia extremamente liberal, onde não há regras, gera insatisfação por parte dos moradores
  • Por outro lado, uma chefia autoritária causa desmotivação e insatisfação dos funcionários
  • O ideal é adotar um estilo "presente e democrático", em que o gerente ouve os funcionários ao mesmo tempo em que exige o cumprimento das tarefas
  • Isso cria satisfação e aumenta a produtividade
  • O gerente deve sempre checar se a prestadora de serviços está em dia com as obrigações trabalhistas, para evitar futuros problemas judiciais para o edifício
  • Fonte:  SíndicoNet

Nenhum comentário:

PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

 

PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO: Somente alguns incêndios acontecem pela intempéries, podemos dizer que não são decorrente de falhas. Observamos que na seguintes situações as falhas humanas são as causadoras da maioria dos incêndios, e que estas por sua vez são evitáveis.

Fogos de artifício
 

Tal com ocorrem com os balões, os fogos de artifícios também são causadores de incêndio, alem de causarem inúmeros acidentes geralmente as crianças são as principais vitimas, por não saberem utilizar os fogos de artifício e alguns por defeito do material.

Displicência ao cozinhar

As donas de casa, não conhecem os riscos de incêndios e deixam os alimento fritando ou cozinhado por tempo superior ao necessário vindo a causar incêndio ou mesmo, colocando alimento com água vapores do óleo saiam do recipiente, indo até as chamas do fogão e incendiando o combustível na panela.

Negligências com fósforo

Não só as crianças, mas também os jovens e adultos não dão a devida atenção á correta utilização dos fósforos, produzindo centelhas em locais com presença de gás ou mesmo livrando-se do palito ainda em chamas, provocando com essas atitudes muitos incêndios. Devemos ao utilizar o fósforo, apagá-los e quebrá-los antes de jogar fora e guardá-los longe do alcance das crianças.

Velas, lamparinas, e outras fontes de iluminação á chama aberta sobre móveis ou locais inadequados. Muitas vezes são colocados sobre móveis, diretamente sobre a madeira ou tecidos. No caso da vela, esta poderá queima-se até atingir o móvel e incendiá-lo; a lamparina por conter em seu interior querosene ou outro liquido inflamável, a situação e ainda mais grave e a ocorrência de um incêndio acontecerá se a lamparina entornar ou derramar o combustível. Quando for usar uma vela, deve-se colocar sobre um pires ou prato, enviando o contato sobre o material combustível.

Vazamento de gás liquefeito de petróleo (GLP)

O gás e um acelerador de incêndio em potencial. Comumente, ocorre a seguinte situação:

Próximo ao fogão são colocados botijões de gás, tanto que está em uso quanto ao de reserva. O botijão de gás, em uso fica permanentemente conectado ao fogão, por meio de um tubo plástico que incendeia com a facilidade, em razão do material de que e construído. Incendiado o tubo de plástico, teremos incendiado gás, pois o registro esta na posição de aberto. O botijão de reserva, que está ao lado poderá receber calor suficiente para romper a válvula de segurança e ai teremos incendiados os dois botijões, e dai a propagação do fogo por toda a edificação.

Devemos se for possível, colocar os botijões, de gás fora da residência, conectando-o fogão por uma mangueira longa, passando por um orifício, na parede. O botijão de reserva deverá ficar guardado fora da residência.

Métodos de extinção de incêndios

Resfriamento: O resfriamento ou controle do calor, é o método de extinção mais usado, consiste em retirar o calor do material incendiado até o ponto de combustão ou abaixo dele. Á água é um dos melhores corpos obsorventes de calor, motivo pelo qual é utilizada na extinção de incêndio por resfriamento.

Abafamento: O abafamento ou controle do comburente, é um dos métodos de extinção mais difíceis de ser aplicado pois, a não serem pequenos incêndios que pode ser abafados ou cobertos com tampas de vasilhas, panos, cobertores, areia, etc... necessita de equipamentos e produtos específicos para sua obtenção. Consiste na eliminação ou diminuição do oxigênio das proximidades imediatas do combustível, e deste modo interrompe o tetraedro do fogo.

Retirada do material: É o método de extinção mais simples na sua realização pois e executados com a força física e com meios improvisados. Não exige aparelhos especializados, consiste na retirada ou interrupção do campo de propagação do fogo.

Como exemplo temos os aceiros executados nos casos de incêndios em matas canaviais, campos, etc..., que interrompem a continuidade do fogo, fechamento de registro de botijão do gás quando a mangueira de condução encontra-se rompida.

CLASSIFICAÇÃO DOS INCÊNDIOS E CARACTERÍSTICAS

CLASSE

TIPO DE COMBUSTÍVEL

EXEMPLO

A

Combustíveis sólidos, queimam em superfície e profundidade, após a queima deixam resíduos, como brasas, cinzas, carvão madeira, papéis, tecidos, carpetes

B

Combustíveis líquidos, queimam somente em superfície, após a queima não deixam resíduos. gasolina, querosene, álcool, acetona

C

O incêndio classificado como ""c"", quando nele há a existência de corrente elétrica. motores, painéis, cabos, condutores

D

São caracterizados pela necessidade de aplicação de produtos químicos especiais para cada material que queima, como exemplo: magnésio, potássio, titânio, zinco, sódio

E

Incêndio onde haja a presença de produtos ou equipamento com carga de radioatividade raio-x

Manutenção e cuidados com os aparelhos extintores

Considerando que os aparelhos extintores são as primeiras armas ao combate a incêndios e dependendo da sua utilização rápida e adequada , para eliminar os focos de incêndio á sua primeira manifestação, listaremos, a seguir alguns cuidados essenciais para com os aparelhos extintores.

- Devem ser instalados em locais de circulação, próximo a porta, fora de lances de escada e atrás de porta.

- De forma que fiquem sempre desobstruídos, visíveis e sinalizados para permitir fácil acesso ao mesmo.

- De forma adequada á extinção dos tipos de incêndios, que possam ocorrer dentro de sua área de proteção.

- Com sua parte superior, no máximo, a 1,60 (um metro e sessenta centímetros) de altura, em relação o piso acabado.

Os aparelhos extintores, devem receber atenção especial, no que se refere a manutenção cuidados estes que deve ser realizados periodicamente, os quais são.

a) Semanalmente:

- Verificar se os aparelhos não está obstruídos, verificar a carga do aparelho, tanto na pesagem como na observação do lacre de segurança, verificando se não está rompido, caso apresente perda de peso maior que 10% deve ser carregado imediatamente.

b) Anualmente:

Descarregar o aparelho e examinar o estado geral, efetuar a recarga e inspeção dos componentes, como válvulas, mangueiras, difusores, esguichos, etc.

c) qüinqüenalmente (5 em 5 anos)

O aparelho deve ser submetido a pressão hidrostática, para verificar a integridade física do cilindro.

João Neri

 

Sugestão: Medição Individualizada de gás em condomínios: Economia e valorização do imóvel

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE GÁS PROPORCIONA ECONOMIA E COMODIDADE Liquigás Distribuidora disponibiliza sistema para 11 estados e Distrito...